Língua:

Análises

A Conservação Estratégica apoia conservacionistas locais na utilização de ferramentas da economia que os permitam encontrar soluções inteligentes e eficientes para os problemas ambientais mais urgentes. Desde a sua criação, a CSF conduziu dezenas de estudos sobre ambientes florestais, fluviais e costeiros. A maior parte dos nossos projetos é focada nos Trópicos, pois estes apresentam níveis extraordinários de biodiversidade. Para maximizar a influência e a qualidade dos nossos estudos, nós envolvemos profissionais de renome e organizações conservacionistas em todos os projetos.

Benefícios Econômicos do Parque Nacional Madidi

Há muito se debate se as áreas de proteção natural restringem o desenvolvimento econômico ou o promovem. Neste estudo, avaliamos os benefícios locais promovidos pelo Parque Nacional & Área Natural de Manejo Integrado Madidi, uma das maiores áreas protegidas da Bolívia, e também uma das mais importantes para conservação da biodiversidade global. Anteriormente, aplicamos esta abordagem de análise em áreas protegidas da Amazônia perto de Manaus, Brasil.

Enquanto muitos habitantes locais vêem a área protegida como um impedimento para o desenvolvimento econômico, Madidi está longe de ser uma ilha separada da atividade econômica. O impacto econômico que a área protegida está tendo regionalmente costuma ser negligenciado neste tipo de discussão. Examinamos esses impactos no caso do Parque Madidi através da quantificação de novas atividades econômicas diretamente relacionadas ao parque e examinamos esses números à luz de quaisquer restrições à atividade econômica causadas pela sua presença.

As duas contribuições mais importantes para a economia regional têm vindo da renda gerada pelo turismo e compra de mercadorias e serviços na Região Norte de La Paz para atividades relacionadas com a implementação e manejo da área protegida. Juntas, essas atividades geram anualmente mais de US$ 2,5 milhões em recursos que beneficiam a economia local de várias formas. Também é importante notar que mais de 97% desses recursos vêm de fontes de fora da Bolívia. Sem o parque, esses recursos provavelmente não chegariam à região mencionada e alguns nem mesmo entrariam na Bolívia. Em outras palavras, turistas estrangeiros, governos e agências internacionais optariam por gastar dinheiro em outro lugar.

Esses números representam uma subestimativa significativa do valor do Madidi como área protegida. Mesmo protegida, essa área também produz peixe, caça, materiais de construção e outros produtos extrativos, cujo uso é compatível com os objetivos de conservação. E, embora os investimentos internacionais sejam uma indicação do valor global da conservação do parque, eles o subestimam substancialmente devido a sérias falhas nos mercados globais relacionadas a esses bens públicos.

Concluímos que os ganhos econômicos do Parque Madidi são obtidos a um mínimo custo de oportunidade local. Grande parte das madeiras mais valiosas da região foram extraídas antes ou logo após a criação da área protegida. Além disso, as condições geográficas da área limitam a agricultura rentável, e o plano de manejo do Parque Madidi, através de proposta de zoneamento, permite uma grande variedade de atividades econômicas. Em resumo, o Parque Madidi protege uma parte importante do patrimônio natural da Bolívia, ao mesmo tempo que estimula a atividade econômica regional pela canalização de valores ambientais internacionais em apoio aos negócios locais.